Neil Peart, baterista do Rush, morre aos 67 anos

Os fãs do Rush foram pegos de surpresa com o anúncio no começo da noite desta sexta-feira (10) com o anúncio da morte do baterista Neil Peart, aos 67 anos. De acordo com o site da revista Rolling Stone, que divulgou a notícia em primeira mão, Neil vinha há 3 anos e meio lutando contra um câncer no cérebro e veio a falecer no último dia 7. 

Em épocas de notícias falsas, o que muitos esperavam ser mais um boato de internet, logo veio a ser confirmado por meio dos perfis da banda nas redes sociais. Em uma postagem breve onde lamentam a passagem do seu amigo e companheiro de banda, Alex e Geddy pedem que os fãs respeitem a privacidade e a dor da família. E que quem quiser fazer algo, procure uma instituição que invista em pesquisas contra o câncer e façam uma doação em nome de Neil Peart. 

Neil Elwood Peart nasceu em 12 de setembro de 1952 na cidade de Hamilton, no Canadá. O músico se juntou ao grupo em 1974, pouco antes da gravação do álbum Fly By Night, o segundo do trio canadense, em substituição à John Rustsey. 

Peart foi logo aceito pelos fãs, graças ao seu estilo criativo e extremamente técnico. O baterista também cativou a atenção do público com suas letras extremamente inteligentes, bebendo em fontes como filosofia e trabalhos de autores famosos. Uma de suas grandes inspirações no começo de carreira foi o trabalho da escritora russa-americana Ayn Rand. Esta influência apareceu, principalmente, no álbum 2112, que foi bem influenciado pelo conto ‘Anthem”, lançado pela autora em 1938. 

Reconhecimento profissional e dramas pessoais

Amplamente reconhecido como um dos maiores bateristas de todos os tempos, Peart decidiu encerrar a carreira em 2015, após 40 anos no Rush e em outros projetos. Àquela época, o músico citava como motivos as dores causadas por artrite e o impacto que vinha fazendo em seu estilo de tocar bateria. Muito exigente consigo, Neil dizia que se não podia mais se apresentar nos seus altíssimos padrões, preferia sair de cena. Além disso, ele queria passar mais tempo com sua nova esposa Carrie e sua filha pequena Olivia, nascida em 2009.

Nos anos 90, Peart passou por uma grande tragédia familiar ao perder a filha, Selena, e a esposa, Jackie, num espaço de 10 meses. Em 1997, Selena, então com 19 anos, foi vítima de um acidente automobilístico. O fato causou um impacto tão grande no casal que sua esposa, Jackie, diagnosticada com câncer logo após o falecimento da filha, recusou se tratar e acabou sucumbindo à doença apenas 10 meses após sua filha única. 

As duas perdas abalaram o baterista profundamente e ele chegou a dizer aos companheiros de banda para “considerarem-lo oficialmente aposentado”. Com dificuldades para ficar em casa, o músico decidiu embarcar em uma grande viagem de moto pela América do Norte e Central que foi registrada para posteridade no excelente livro “Ghost Rider – A Estrada da Vida”, lançado em 2002. A longa viagem fez bem ao músico, que retornou para casa revigorado e resumiu seu trabalho com o Rush, lançado mais três álbuns, fazendo várias turnês e encerrando as atividades em 2015.

Primeira vinda ao Brasil e gravação do DVD Rush In Rio

Esta passagem pelo Brasil em 2002 rendeu o lendário DVD e CD ao vivo ‘Rush In Rio’. A turnê brasileira contou ainda com shows em São Paulo e Porto Alegre. 

Fica a lembrança de um dos momentos mais sublimes da carreira do trio, quando eles tocaram diante de um Maracanã lotado que cantava até mesmo as partes instrumentais em “YYZ”.

Conforme mencionado, Peart além de músico, era um excelente escritor, tendo lançado diversos livros como “Ghost Rider – A Estrada da Cura”, “Masked Rider”, “Far and Away: A Prize Every Time” e o último, “Far and Away: Bring That Horizon To Me”, lançado em setembro de 2016. Além destes, ele também lançou um livro chamado “Clockwork Angels” ao lado do autor Kevin J. Anderson. O livro é uma expansão da história contada no álbum homônimo, que veio a ser o último lançado pelo Rush em 2012.

Músicos reagem à notícia da morte de Neil Peart nas redes sociais

Deixe o seu comentário